Nossas escolhas refletem as nossas crenças

Nossas escolhas são a externalização das nossas crenças.

Não sei se você já parou para pensar sobre isso mais o nosso comportamento e as nossas escolhas são a materialização daquilo que acreditamos.

Eu não sei como está a sua vida hoje e por isso mesmo eu quero convidá-lo a fazer uma reflexão durante a leitura deste post.

A coisa funciona assim: Aquilo que você acredita gera emoções e a partir dessas emoções você toma suas atitudes. Talvez você já tenha visto no Facebook alguns falando que: Se você acredita que pode você está certo e se você acredita que não pode, você também está certo.

Os seres humanos não são seres racionais, você sabia? Somos seres emocionais. Nós racionalizamos as nossas emoções.

Vou te dá um exemplo prático: Porque você acredita que dinheiro te traz felicidade?

Porque você vincula ao dinheiro as emoções que você tem quando você está em uma viagem por exemplo. Na verdade o dinheiro não te deu aquela sensação. Se você tivesse ganhando a viagem fazendo trabalhos voluntários, provavelmente você ligaria todas as emoções que você teve durante a viagem a imagem do trabalho voluntário e gostaria de fazer mais trabalhos voluntários.

Quando você acredita que algo que você precisa fazer não vai dá certo, qual o nível de esforço você coloca naquilo? Muito ou pouco? Pouco ou nenhum, correto! Essa crença vai te trazer uma emoção, que provavelmente é a frustração, ou a tristeza, ou até mesmo a desilusão. E tudo isso, esse conjunto, vai gerar no teu subconsciente algo chamado, referências anteriores. Essas referências anteriores fazem parte das nossas crenças.

E vem dessas referências anteriores aquele velho ditado: “Gato escaldado tem medo de água fria”.

Crenças podem ser mudadas

Por isso crenças pautadas em traumas são tão fortes, porque foram experiências já vividas. E emoções estão vinculadas a ela.

Mais quebrar uma crença é algo impossível? Claro que não! Existem algumas formas de você se livrar de crenças que te prejudicam e eu vou colocar aqui algumas delas.

  1. Passar pela mesma experiência ou uma experiência muito semelhante à vivida anterior e ser bem sucedido.
  2. Decidir que aquela crença está travando a sua vida e que você vai riscar ela da sua vida.

Você pode tá rindo de mim agora, mas vou te mostrar como você faz isso.

Tanto no item 1 quanto o 2 você tem que alterar o resultado, correto?

Quando você tem um resultado ruim o que você faz? Normalmente, 90% das pessoas desistem por que muito provavelmente elas “não servem para aquilo”. As outras 7% fazem a mesma coisa e esperam ter resultados diferentes. E as outras 3% olham para aquele resultado e se perguntam: “- Até onde em tudo isso que eu fiz eu acertei?” Analisam e guardam aquela informação. Depois elas olham para o que saiu errado e se perguntam: “- Qual a estratégia que eu vou usar junto com o que já está dando certo para que eu chegue ao meu resultado?” e vão ajustando aquela estratégia até dá certo.

Quando você se “conforma” com o: “eu não sirvo para isso” ou “isso não é para mim”. Você está demostrando claramente que você não acredita que você é capaz de mudar essa situação. E você tem uma vida infeliz.

Existe alguma crença que você tenha que está travando a sua vida? Responda a essas perguntas e de preferência pegue papel e caneta e vamos lá:

  1. De onde vem essa crença? (foi resultado de uma experiência passado ou foi algo que meus pais me falaram ou até mesmo algum parente).
  2. O que vai acontecer se eu permanecer com essa crença? (descreva em detalhes como você estará daqui a 1, 5, 10 e 20 anos se você continuar com essa crença).
  3. O que me impede de quebrar essa crença agora? (isso provavelmente é o que você tem que trabalhar agora).
  4. O que vai acontecer na minha vida quando eu substituir essa crença por uma crença fortalecedora? (imagine sua vida daqui a 1, 5, 10 e 20 anos).
  5. Qual a crença fortalecedora que eu posso usar para substituir essa crença limitante?

O mais importante aqui é a sua decisão. Enquanto você continuar limitado por uma crença, essas limitações aparecerão na sua vida em forma de frustrações, raiva, desilusão e amargura.

E você tem em suas mãos o maior poder que existe que é o poder da escolha. Você pode escolher continuar assim ou escolher ter uma vida com mais qualidade.  O que você escolhe?

Nos piores momentos das nossas vidas o que pode mudar drasticamente o seu futuro são as suas escolhas. No vídeo abaixo Jorge Coutinho fala sobre o seu primeiro cliente e como ele usou o poder da escolha no maior desafio que teve em sua vida. Confira o vídeo abaixo, é um vídeo maravilhoso e você nunca mais será o mesmo depois de ver esse vídeo.

E lembre-se: “Se é para ser feliz, mãos à Obra!”

Quero saber o que você leva desse post consigo? Compartilhe comigo. A sua opinião é muito importante pois me ajudar a fazer um trabalho cada vez melhor para você e ainda pode ajudar pessoas que também estão passando por situações semelhantes a sua.

E se você acredita que esse post pode ajudar, compartilhe!

Share this article

Deixe um comentário

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *